Inspeção e documentação de SPDA ou Pára-raios

SOLICITE UM ORÇAMENTO

A DATALINK realiza a inspeção e emite a documentação, laudos de conformidade,  com as normas nacionais, realiza a vistoria técnica e consultoria do seu SPDA. Executa medições de resistência de aterramento com equipamentos de ultima geração da marca MEGABRAS. Possui técnicos treinados pela ABNT na norma ABT NBR 5419-2005,  além de engenheiros, termografistas e técnicos em seu quadro técnico com vasto anos de experiência para dar total segurança e tranquilidade aos nossos clientes.

A parte 6 da ABNT NBR 5419 prescreve como o SPDA deve ser inspecionado, mantido, qual a periodicidade e que tipo de documentação deve ser disponibilizado para controle e fiscalização.

Inspeção

As inspeções visam assegurar que:

  • O SPDA esteja conforme o projeto, que todos os seus componentes estejam em bom estado, com suas conexões e fixações firmes e livres de corrosão;
  • O valor da resistência ôhmica de contato (continuidade elétrica dos condutores do SPDA) seja compatível com a sua utilização. Isso se aplica aos casos de verificação da viabilidade de utilização de elementos naturais e à verificação da integridade física de eletrodos não naturais de aterramento. Embora a ABNT NBR 5419 não especifique valores para o ensaio de continuidade elétrica entre os componentes de um SPDA não natural, tão pouco deixe claro o método a ser utilizado, pode-se fazer uma analogia com o que está prescrito pela IEC 62305 para continuidade elétrica das armaduras e outros componentes fixos de uma instalação, adotando como parâmetro o valor máximo de resistência ôhmica de 0,2 ? entre trechos ensaiados do SPDA. Nas situações de subsistemas naturais de descida e de aterramento, a repetição do ensaio de continuidade elétrica somente será exigida no caso da não possibilidade de comprovação de realização do primeiro ensaio, ou de alteração estrutural, por exemplo, em reformas ou ampliações;
  • Todas as construções acrescentadas à estrutura (anexos, coberturas, estruturas, etc.) posteriormente à instalação original devem estar integradas no volume a proteger, mediante interligação ou ampliação do SPDA.

 

Sequência cronológica das inspeções:

  • Durante a construção da estrutura, para garantir a correta instalação dos componentes do SPDA, inclusive verificando criteriosamente a especificação do material empregado segundo a lista de materiais que conta do projeto;
  • Imediatamente após o término da instalação do SPDA para verificação final das condições gerais da instalação comparadas ao projeto “as built”;
  • Periodicamente, para que seja mantida a eficiência do SPDA.

 

Dependendo do tipo de inspeção, os intervalos devem ser os seguintes:

  • Sempre que houver a suspeita de que o SPDA tenha sido atingido por descarga atmosférica;
  • Em todos os casos, uma inspeção visual do SPDA deve ser efetuada anualmente. Essa inspeção pode ser realizada por pessoa que tenha conhecimento suficiente para identificar peças danificadas, soltas ou oxidadas;
  • Inspeções completas devem ser efetuadas periodicamente com emissão de documentação técnica. Além de verificar se o SPDA está em condições operacionais, esta medida provê ferramentas para eventuais fiscalizações de órgãos públicos e privados, por exemplo, corpo de bombeiros e seguradoras, respectivamente, e fornece parâmetros de comparação que facilitam verificações de controle no futuro.

Inspeções completas também devem ser realizadas após qualquer modificação no sistema original, não importando a causa. A ABNT NBR 5419 determina os seguintes intervalos para realização de inspeção completa após a instalação do SPDA:

  • Cinco anos para estruturas destinadas com fins residenciais, comerciais, administrativos, agrícolas ou industriais, excetuando-se áreas classificadas com risco de incêndio ou explosão;
  • Três anos para estruturas destinadas a grandes concentrações públicas (conforme a ABNT NBR 13570), tais como áreas comerciais, hospitais, escolas, teatros, cinemas, estádios esportivos, shopping centers, pavilhões, e outros, além de outros locais contendo áreas com risco de explosão (de acordo com a ABNT NBR IEC 60079-14);
  • Um ano para estruturas contendo munição ou explosivos ou em locais expostos à corrosão severa, como regiões litorâneas, ambientes industriais com atmosfera agressiva, etc.

Documentação

Conforme o item 6.4 da ABNT NBR 5419, a seguinte documentação técnica deve ser mantida em local que possa ser facilmente encontrada e disponibilizada em situações de fiscalização ou para novas inspeções:

  • Relatório de verificação de necessidade do SPDA e de seleção do respectivo nível de proteção, elaborado conforme Anexo B da ABNT NBR 5419;
  • Desenhos em escala mostrando as dimensões, os materiais e as posições de todos os componentes do SPDA (captores, condutores de descida e os eletrodos de aterramento);
  • Sempre que necessário, dados sobre a natureza e a resistividade do solo e os valores da resistência ôhmica do eletrodo de aterramento. Vários fatores externos influenciam os ensaios que fornecem esses valores, muitas vezes impossibilitando a sua execução. Nestes casos, a norma recomenda que seja descrita a justificativa técnica para a não realização dos ensaios. Na maioria dos casos, os valores obtidos nos ensaios de continuidade do eletrodo de aterramento associados a uma simples descrição das condições no local suprem essa necessidade;
  • Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) do profissional responsável.

Uma medida não indicada na ABNT NBR 5419, mas que segue a boa prática da engenharia é a elaboração de um roteiro de inspeção condizente com as condições locais, em que é registrada a evolução das condições do sistema. Este roteiro deve ser atualizado a cada inspeção periódica completa.