Procedimento para coleta em óleo isolante para transformador

Coleta de Amostras

Todos os materiais frascos e seringas para a coleta das amostras de óleo são fornecidos (em comodatos) pelos laboratórios e são esterilizados, isentos de poeiras e umidade, para garantir um bom resultado das amostras coletadas. Devendo retornar após a realização das coletas em campo.

 Todas as seringas e frascos são identificados e etiquetados em códigos de barra, onde nelas estão inseridos os dados: cliente – data de fornecimento – identificação do equipamento no sistema elétrico (patrimônio ou TAG), potência, tensão, Nº serie, fabricante e outros. Desta forma a confiabilidade dos resultados é melhorada acentuadamente. Tudo isto se faz necessário para a gestão de resultados.

 Toda coleta de amostra de óleo deve ser feita com a limpeza do ponto de coleta, drenagem do óleo de descarte em um recipiente apropriado, volume de descarte aproximadamente 1 a 2 litros ou mais conforme volume total de óleo do trafo.

 Adaptação das conexões apropriadas, com o uso de uma mangueira de polipropileno e auxílio de um termômetro, são procedimentos de coleta das amostras de óleo. Todos os cuidados com derramamento de óleo devem ser tomados.

 O laboratório precisa de 1000 ml de amostra de óleo mineral isolante em frasco de vidro cor âmbar devidamente tampado, para análise físico-química e de 20 ml de amostra de óleo mineral em seringa de vidro com válvula de 03 vias, para análise cromatográfica.

 O laboratorio não aceita coletas feitas em materiais se não estes informados acima, já que não pode se responsabilizar pelos resultados, ou seja, deste modo não são emitidos laudos devidamente assinados pelo químico responsável.

 Coleta de Amostras – Materiais para Coleta

O laboratorio fornece caixas para transporte das amostras coletadas que mantêm a integridade das amostras, evitando vazamento e quebras dos produtos. Também disponibiliza caixas com sistema antichoque e contra derramamento em caso de acidentes.

 Coleta de Amostras – Materiais não permitidos para Coleta

Alguns materiais não são utilizados e permitidos para coleta de amostras. Os laboratorios seguem as recomendações e normas dos órgãos competentes, evitando assim quaisquer prejuízos durante as análises.

 Coleta de Amostras – Utilização dos equipamentos para coletas de amostras Físico-Químicas

  •  Limpar o registro de retirada do óleo;
  • Instalar uma conexão galvanizada quando necessário no dreno do trafo;
  • Colocar uma bandeja de contenção;
  • Abrir vagarosamente o registro e deixar escoar um volume de óleo sem aproveitamento em recipiente apropriado (galão);
  • Utilizar frasco de vidro de 1 litro com tampa O mesmo deve estar limpo e completamente seco;
  • Drenar como descarte cerca de 200ml no frasco, fechar o registro;
  • Lavar o frasco com o óleo do trafo;
  • Descartar novamente o óleo;
  • Abrir o registro novamente e encher o frasco. Fechar o frasco e o registro do trafo;
  • Limpar o frasco;
  • Colocar o tampão do registro e conectar de modo adequado;
  • Certificar-se de não haver vazamento de óleo no registro do trafo;
  • Identificar a amostra corretamente;
  • Armazenar os frasco em local escuro até o envio ao laboratório.

 Coleta de Amostras – Utilização dos equipamentos para coletas de amostras Cromatografia Gasosa

A retirada de amostras deve ser preferencialmente coletada nos registros dos equipamentos elétricos. Quando não for possível, a amostra poderá ser retirada através da tampa de inspeção, utilizando seringas.

  • Limpar o registro de retirada do óleo;
  • Conectar uma bucha de redução com espigão quando necessário no dreno do trafo;
  • Colocar uma bandeja de contenção;
  • Abrir vagarosamente o registro e deixar escoar um volume de óleo sem aproveitamento;
  • Utilizar a seringa de vidro de 20 ml com válvula de 03 vias. A seringa deve estar limpa e completamente seca;
  • Lavar a seringa com o óleo do trafo;
  • Descartar novamente o óleo;
  • Abrir o registro novamente e encher a seringa. Fechar a válvula da seringa e o registro do trafo;
  • Fechar a válvula da seringa;
  • Certificar-se de não haver vazamento de óleo no registro do trafo;
  • Caso se verifique a presença de bolhas, segurar a seringa verticalmente (torneira para cima) e pressionar o êmbolo de modo a eliminar as bolhas existentes. Fechar imediatamente a torneira (seringa na posição vertical);
  • Identificar a amostra corretamente;
  • Limpar cuidadosamente a seringa e acondicionar em caixa apropriada.